VOLVER DE CARNE Y ALMA

VOLVER DE CARNE Y ALMA

Um restaurante PERFEITO!

 

Já aqui escrevemos muitas vezes sobre o Volver de Carne Y Alma. Quando ainda tinha o nome do Chakall na porta, quando lançou os menus Taping, quando começou a promover as noites de tango, das várias vezes que mudou de carta ao longo destes 5 anos, ou mesmo das mudanças de Chef. Correndo o risco de ser repetitivo, é o nosso restaurante preferido em Lisboa. E continua a dar-nos motivos para ficar surpreendidos. Muito surpreendidos!

O Volver é um restaurante perfeito. Não há como dar a volta a isto. É perfeito por causa do ambiente sofisticado e romântico criado pelo espaço, a iluminação e a decoração. É perfeito por causa do serviço 5 estrelas, simpático, prestável, nada intrusivo, sempre com um sorriso e muita atenção. E é perfeito por causa da comida, numa ementa dominada pelos cortes de carne argentina, mas que cada vez mais vai apostando na fusão de sabores e produtos argentinos com o que de melhor temos em Portugal. Esta evolução constante faz com que o Volver seja desde há uns anos um dos restaurantes mais criativos da grande Lisboa.

A evolução do Volver está inclusivamente presente no seu nome: Volver de Carne Y Alma. Deixa de se identificar como uma “steakhouse”, porque é realmente muito mais do que isso. Existe aqui uma procura constante em introduzir nos pratos elementos dos dois países, receitas e técnicas pouco utilizadas em Portugal e, acima de tudo, produtos sazonais.

A nossa mais recente visita ao Volver de Carne Y Alma teve como motivo o lançamento da nova carta de Verão que, como tem vindo a ser hábito, apresenta alguns clássicos e muitas novidades. Esta nova carta, lançada há umas semanas, tem já a mão do Chef André Pires, novo na casa, e com o desafio de manter o cariz criativo e de alta qualidade do Volver. Talvez por isso a carta foi simplificada e tem um equilíbrio cada vez maior entre os cortes fabulosos de carne e outros pratos verdadeiramente criativos e diferentes do estaríamos à espera.

Nas entradas, divididas entre sugestões para uma pessoa e outras para partilhar, temos o “Sorrentino” de couve portuguesa, ricota fumada, quinoa e geleira de molho barbecue (que é uma espécie de ravioli onde a massa é substituída por uma folha de couve), o Nikkey Patagónico – truta apresentada de 4 formas, num tártaro, num gravlax, um lombo fumado e ainda num maravilhoso brûlée (com um toque de anchovas) e ainda o Tártaro de Vaca, com pipocas de pimentos aji, ruibarbo, creme de feno e molho chimichurri. Tudo excelente, com uma conjugação de sabores onde tudo resulta e empratamentos cada vez mais elaborados, onde mesmo os pratos fazem parte das verdadeiras obras-primas que nos são servidas.

Nos pratos principais, voltam a existir propostas completamente “fora da caixa”, novidades que vão dar que falar durante toda a estação. São exemplos disso o Tártaro de Vieira com carne Wagyu, pimentos, puré de milho, gel de salsa e quinoa trufada (uma espécie de surf & turf, onde as vieiras conseguem destacar-se ainda mais do que a carne, que já por si só é deliciosa), o Pato Crocante Y “Papas Francis Mallman”, uma homenagem ao Chef argentino, que além da carne e das batatas com a sua forma característica vem ainda acompanhado de picles de pêra, gel de laranja e mostarda, ou o Porco Duroc maturado (com 14 dias de maturação), carne de porco como nunca antes comemos, tenra, deliciosa. E molho para esta carne? Pois que só vos digo uma palavra: “Baconaise” (que é como quem diz uma espécie de maionese de bacon… GENIAL!)

Na nova carta há ainda alguns pratos clássicos e incontornáveis do restaurante, que fazem já parte do seu ADN. Os cortes de carne, grelhados na “parrilla” argentina, como o Chuléton de Buey (1kg de carne com 40 dias de maturação), o Baby Beef (maturado 21 dias), a Assadeira Volver (2 carnes diferentes, e que pode ser também provada no menu de almoço do restaurante) ou o T-Bone de Black Angus, são das melhores carnes que se comem em Lisboa, sem qualquer sombra de dúvida. Mas há outras propostas, como o fenomenal Wellington’s Back (a versão do Volver do famoso Bife Wellington), o Risotto Porteño de Vieiras, ou nas entradas as famosas Empanadas Argentinas, as melhores que se comem em Lisboa.

E isto sem esquecer os scones do couvert (que variam regularmente e são uma das assinaturas do restaurante) ou os cheesecakes fumados para sobremesa, que mudam consoante a estação (actualmente é de creme de queijo, bolota, bacon, beterraba, amêndoa, morango e limão) e têm sido todos fenomenais!

Aproveitando para falar das sobremesas, além dos cheesecakes fumados há ainda outras propostas que nos aproximam de sabores exóticos: a já conhecida Torta Rogel, uma espécie de mil-folhas de doce de leite, a Terra do Fogo (um sponge cake de framboesa, com mouse de queijo, gelatina de maracujá, compota de hibisco, “parfait” de alfazema, favo de mel e crocante de vinagre), a Pavlova ou ainda o novo Abacaxi3 (abacaxi, maracujá, pisco, chocolate branco e limão). Parece-vos bem? 😉

Tudo isto acompanhado por uma carta de cocktails cada vez mais elaborada e com propostas brilhantes: a Margarita Sudaka (tequila, laphroaig, basílico e gengibre), o Antes Morir Que Olvidarte (whisky, jim beam, gengibre, maçã e pêra) ou o Bloody Evita (pisco, sumo de tomate, pimento piquillo, gengibre, pepino, manjericão, sésamo e pimenta). Aceitem sugestões, porque não ficam nada mal.

Mantendo a tradição dos seus menus de Tapping, o Volver lançou recentemente o Menu 5 Pasos e 1/2, com um conjunto de pratos para partilhar a dois, numa espécie de degustação que vos vai deixar cheios… e maravilhados! São mais de 2 horas à mesa, que passam quase sem dar por isso.

Mas há ainda mais do que isso: as noites de Tango (em algumas Quintas-feiras) são um boa forma de tornar o ambiente do restaurante ainda mais interessante, criando um momento intimista com os bailarinos (muito bons!). Em dois momentos distintos durante o jantar, os bailarinos dançam, falam, descontraem, fazem-nos sentir que estamos algures na Argentina num restaurante local. Uma experiência a não perder!

Por isso, e com o risco de estarmos a ser repetitivos, o Volver é o restaurante perfeito. Seja pela carne, pelos cocktails, pelo ambiente, pelo tango ou pela criatividade crescente apresentada em todos os pratos, é um restaurante incontornável em Lisboa. Não podia ser melhor. Mesmo!

 

Preço Médio: 38€ pessoa (entrada e corte de carne a dividir, com vinho)
Informações & Contactos:
Rua Luís de Freitas Branco, 5 – Lumiar | 1600-488 Lisboa | 217598980

[codepeople-post-map]

1 comentário em “VOLVER DE CARNE Y ALMA”

  1. Um restaurante QUASE perfeito. Excelentes entradas, carnes ótimas e sobremesas magnificas, mas o Risotto Porteño de Vieiras estava uma lástima: arroz a parecer uma pasta, frio e vieiras nada frescas. Ficou metade no prato…

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.