SALA DE CORTE

SALA DE CORTE

Para quem gosta de Carne. A sério.

A minha geração não é de talhos. Daqueles de bairro, à antiga, com as peças de carne penduradas e o talhante atrás do balcão a cortar uns belos nacos. A minha geração é a da carne já cortada (e para alguns até já temperada e tudo) e em couvetes de hipermercado. São os tempos… Por isso mesmo é engraçado entrar na Sala de Corte e ver o restaurante cheio de gente da minha idade, a passar um bom bocado… e a ter a experiência mais próxima daquilo que é ir a um talho à antiga.

O conceito não é necessariamente novo, O Talho inaugurou-o em Lisboa. Mas ainda assim, há qualquer coisa de especial em entrar num restaurante e ver uma arca com várias peças de carne expostas (como o peixe nos restaurantes de peixe fresco), ao mesmo tempo ouves o barulho das ditas peças a serem cortadas ao balcão. Se é uma sala de corte, então que se ouça cortar carne.

sala de corte cais do sodré

O espaço é interessante, lugares ao balcão que acompanha toda a sua profundidade e também algumas mesas, demasiado próximas na nossa opinião, mas percebemos que se tente maximizar o espaço. Outro reparo é serem demasiado pequenas, porque como as carnes chegam em tábuas de madeira e os acompanhamentos à parte, em cada mesa vemos o empregado a tentar jogar uma partida de Tetris.

Em cima dessas tábuas de madeira são então servidos vários cortes de carne: desde a picanha até ao chuletón, passando pelo lombo ou entrecôte. Todas peças chegam já cortadas e acompanhadas por um relish de tomate fumado excelente e ainda vários molhos à escolha (destaque para a maionese trufada e o chimichurri). Os acompanhamentos são à parte e incluem coisas muito interessantes como a salada de endívias com roquefort e nozes ou o esparregado de espinafres com queijo da ilha.

sala de corte cais do sodré

Se a carne é boa? É sim senhor! Dividimos 750gr de Chuletón de Buey que quase não conseguimos terminar. Muito bem servido e temperado, com a carne muito suculenta e saborosa, bem grelhada no Josper que a cozinha esconde. E todo o ambiente ajuda a que nos saiba ainda melhor, porque ficamos com a ideia que foi acabada de cortar para nos ser servida. Muito bom!

Mas antes disse já tínhamos ficado rendidos ao fenomenal carpaccio de lombo de novilho (com azeite de trufa, pistachios, rúcula e parmesão), o melhor carpaccio que comemos desde há muito tempo. Também boa era a burrata com presunto de Bellota, assim como no final da refeição também ficámos bem impressionados com o falso crumble de caramelo, chocolate e amendoim, acompanhado de gelado de baunilha. Para beber há uma carta de vinhos muito competente e lista de cocktails, mas acompanhámos tudo com cerveja artesanal (esta estrangeira), uma moda que está a pegar e ainda bem!

E saímos do restaurante cheios e satisfeitos, como dignos carnívoros que somos.

A Sala de Corte é uma das novas boas opções numa zona da cidade que está completamente sobrelotada de restaurantes. Vale a pena pela experiência toda e especialmente pela carne, para quem gosta de carne à seria. Daquela que se compra nos talhos.

Preço Médio: 35€ pessoa (com cerveja artesanal)

Informações & Contactos:
Rua da Ribeira Nova, 28 | 1200-376 Lisboa | 21 346 0030

[codepeople-post-map]

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.