OPTIMISTA

Restaurante Optimista
Partilha!

Optimismo… e comida surpreendente! 🙂

Não é fácil acompanhar as aberturas de novos restaurantes em Lisboa, nada fácil mesmo. Sucedem-se as aberturas de todo o tipo de restaurantes, especialmente em certas zonas mais movimentadas, e as redes sociais e publicações especializadas e blogs são inundados de comunicação e fotos. Por isso, é complicado fazer uma selecção daquilo que queremos ou não experimentar – porque não podemos ir a todo o lado, não há… “disponibilidade” para isso 😉 Por isso, muitas das vezes o que nos chama a atenção é apenas um pormenor, que vemos numa revista ou num post nas redes sociais. E, no caso do Optimista, foi um unicórnio. Sim, um unicórnio.

Ok, sabemos que os unicórnios não existem, mas a verdade é que as primeiras fotos que vimos do Optimista chamaram a atenção por uma enorme cabeça de “unicórnio” numa das paredes do restaurante. A surpresa inicial dá lugar a curiosidade, e à medida que vamos vendo outras fotos e lendo sobre o restaurante, começamos passar por cima do dito unicórnio e a ganhar interesse crescente em ir ao restaurante. Por isso, decidimos ir para o meio da confusão do Cais do Sodré para o conhecer. E percebemos que o Optimista é muito mais do que um unicórnio chamado Pureza.

Restaurante Optimista

Restaurante Optimista

Se é verdade que quando entramos a parede onde está a Pureza chama logo a atenção – está de frente para a porta – também é verdade que rapidamente começamos a olhar para o resto do espaço. A decoração é minimalista mas de um bom gosto fantástico. Os quadros nas paredes encaixam-se perfeitamente num espaço que consegue aliar o clássico ao moderno sem parecer forçado. mais 2 ou 3 quadros nas paredes e, se retirássemos as mesas, podíamos estar numa galeria de arte contemporânea.

As mesas com tampo de mármore dão um ar mais típico ao espaço, em contraste com as cadeiras que nos transportam para um registo mais moderno, e no fundo da sala conseguimos ver a cozinha semi-aberta, com a azáfama habitual mas suficientemente longe para não nos “incomodar” durante o jantar.

Restaurante Optimista

Outra das surpresas iniciais é olhar para a carta. Reduzida, com poucas opções, e seguindo uma lógica de cozinha portuguesa. Todos os pratos são nossos conhecidos, e isso é surpreendente porque um espaço com este visual tendencialmente poderia seguir um registo mais moderno, mas de fusão. Durante o jantar até percebemos que há momentos em que a cozinha tradicional de funde com novas técnicas ou empratamentos mais sofisticados, mas a base é o mais genuína possível: comida portuguesa de conforto. Surpreendente e muito agradável, deixem que vos diga.

Ora, as boas ideias do Optimista começam logo no couvert! Azeitonas, manteiga de cogumelos, dois tipos de pão e, pasme-se, um molho à Bulhão Pato. Sim, um pratinho de molho à Bulhão Pato! Para molhar o pão! Malta, não sei o que acham, mas para mim o molho à Bulhão pato devia ser património da Humanidade! E a simples ideia de o colocar num couvert é maravilhosamente simples e brilhante!

Restaurante Optimista

Restaurante Optimista

E as surpresas continuam com as entradas, das quais escolhemos uma Tomatada com Alecrim e Ovo escalfado – algo muito típico e muito bom para começar uma refeição, com sabores apurados e um ovo no ponto – e a surpresa que foi o Ceviche de Favas!! Estava desconfiado acerca desta entrada, porque as favas não me pareciam poder funcionar com o molho ácido do ceviche, mas fiquei apaixonado pelo prato! Favas, feijão verde e outras verduras, tudo misturado num molho excelente, ácido qb, que transporta um petisco tão nosso algures para o registo das comidas do Mundo. Uma maravilha, minha gente, uma maravilha!

Restaurante Optimista

Nos pratos principais, a decisão foi muito mais complicada do que nas entradas. Porque sendo pratos que conhecemos da nossa cozinha, todos nos parecem bem! Na noite em que fomos não havia croquetes de rabo de boi, por isso esse prato fica para uma próxima visita. Assim como o Ensopado do Mar e o prato chamado Cabeça, Tronco e Membros, todo de porco. Estes dois foram servidos na mesa ao nosso lado e apeteceu-nos jantar outra vez, acreditem!

Nós escolhemos o Rosbife com couve braseada, Esmagada de Batata Doce e molho Chimichurri, um prato onde tudo faz sentido e tudo está muito bom. Talvez seja mais um prato de Verão, é verdade, mas a qualidade da carne é excelente e a esmagada de batata doce torna o prato mais “quentinho”.

Restaurante Optimista

Mais surpreendente é o outro prato, o Robalo braseado com Puré de Couve flor e bacon, Feijão verde salteado e Couve Kimchi à portuguesa. A base, novamente, é muito tradicional, mas esta é uma versão muito diferente do típico peixe grelhado com legumes. O robalo está fresquíssimo mas a estrela do prato é o fenomenal puré de couve flor, saboroso, com o toque do bacon a transportá-lo para outro nível. A couve e o feijão verde ajudam a dar a frescura necessária ao prato, e tudo resulta de uma forma extraordinária. Lá está, coisas simples mas bem trabalhadas, com um toque diferente e mais actual. No fundo, este prato é a representação perfeita daquilo que é o Optimista.

Restaurante Optimista

Tudo até ao momento é uma maravilhosa surpresa neste jantar, por isso a expectativa para as sobremesas é bastante grande (ainda que, pessoalmente, não seja a minha parte preferida da refeição). São boas, sim, mas menos surpreendentes… O Bolo de Chocolate da Pureza (sim, o unicórnio pendurado em cima de nós) promete duas texturas mas parece-nos simplesmente um semi-frio, onde o coulis de frutos vermelhos e a amêndoa laminada dá um toque diferente, assim como o gelado de beterrada (ora aqui está uma novidade para nós!). Por outro lado, o Leite Creme tem a textura certa, um sabor imaculado, mas não passa do registo normal. Talvez porque tudo o resto tem sempre um pormenor surpreendente, este leite creme parece simplesmente… normal.

Este final de refeição não prejudica em nada aquilo que sentimos no fim do jantar no Optimista, e que tivemos a oportunidade de dizer isso mesmo a quem nos atendeu e, durante todo o jantar, foi sempre explicando os pratos e tentando obter feedback da nossa parte (e das mesas que estavam à nossa volta, conseguimos perceber isso perfeitamente). 

Restaurante Optimista

Fazendo uma piada fácil, saímos muito optimistas do Optimista. Porque se percebe que há uma ideia por trás do restaurante, e uma ideia baseada naquilo que Portugal tem de melhor: a sua tradição gastronómica. Há uma simplicidade complexa em todos os pratos que provámos, que nos fizeram sentir reconfortados e, ainda assim, surpreendidos. Ou seja, há muito mais aqui do que um unicórnio pendurado numa parede.

O Optimista é, para já, uma das primeiras grandes surpresas do ano de 2018, para nós! 🙂

Preço Médio: 25€ pessoa (com vinho)
Informações & Contactos:
Rua da Boavista, 86 | 1200-068 Lisboa | 21 346 0629

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta